Na Mídia

Notícias

Instituto de Identificação auxilia DHPP na prisão de responsáveis por execuções na capital

Instituto de Identificação auxilia DHPP na prisão de responsáveis por execuções na capital

Por Marcos Dione/Redação Ecos da Notícia

Através de perícias realizadas em dois veículos apreendidos pela Polícia Civil, o Instituto de Identificação do Acre conseguiu chegar aos nomes dos integrantes de uma quadrilha composta por 5 homens que seriam os responsáveis por crimes de homicídios e tentativas que ocorreram em Rio Branco nos últimos dias.

Dos cinco criminosos identificados, pelo menos quatro deles foram presos na manhã de terça-feira (5), numa rua do bairro Triângulo Novo. No momento da prisão, os homens estavam em um dos carros usados para a prática de assassinatos e ainda teriam confrontado a polícia efetuando disparos contra a guarnição.

Daniel da Silva Barros, 19 anos, Luan Bastos de Melo, 21 anos, Pedro Correa Gomes, 33 anos e Saulo Mendes Furtado, 36 anos, passaram por uma audiência de custódia nesta quarta-feira (6) onde foi decido pela permanência deles na prisão por porte ilegal de arma de fogo, associação criminosa e suspeita de homicídios.

Ao Ecos da Notícia, Sandro Bacelar, diretor do Instituto de Identificação que funciona no mesmo prédio do Instituto Médico legal (IML), explicou como se deu o trabalho de sua equipe de peritos papiloscopistas para chegar à identific

ação dessa quadrilha que segundo ele já matou três pessoas neste ano.

“A perita papiloscopista fez a coleta e impressão das digitais encontradas nos veículos apreendidos e estamos fazendo a análise. À priore já chegamos aos nomes de quatro, confirmando que eles participaram dos crimes, agora resta analisarmos mais um quinto integrante dessa quadrilha”, disse o diretor.

Na segunda (4), eles teriam executado um adolescente de 14 anos na rua principal do bairro Canaã e deixado outras três pessoas baleadas na região do Calafate. Ambos agiam a mando de uma facção criminosa. Sandro falou ainda, que os carros eram usados apenas para  a prática de homicídios na cidade.

“Os veículos eram usados para homicídios, eram veículos roubados há algum tempo e só iam pra rua somente para homicídios. Somente este ano foram três homicídios e várias tentativas praticadas por essa quadrilha”, concluiu.

Luan, um dos presos na ação no bairro Tiângulo, segundo informou o delegado Rêmulo Diniz, responde pelo crime de homicídio em liberdade. Ele, de acordo com o titular da DHPP, foi responsável pela morte de Rafael Pereira da Silva, ocorrida no início do ano, enquanto os brincavam de roleta russa numa casa abandonada.

Após a conclusão o inquérito será enviado ao judiciário. Rêmulo esclareceu que Luan fazia parte do grupo, porém não participou dos últimas mortes praticadas pela quadrilha. “Como estava sendo monitorado ele só fazia o papel de guardar os objetos ilícitos usados pelos comparsas e tudo foi encontrado em sua residência”, disse.

Publicado em 27/05/2019

Image