Na Mídia

Notícias

DF terá escola gerida pela Polícia Civil, nos moldes do ensino militar

DF terá escola gerida pela Polícia Civil, nos moldes do ensino militar

Secretaria de Segurança Pública já determinou à PCDF o início dos estudos para implantar o modelo

Rafaela Felicciano/Metrópoles

O secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres, determinou à direção da PCDF que inicie os estudos sobre o projeto, os quais serão coordenados pela Direção-Geral da Polícia Civil com aconselhamento da Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF) e da pasta de Educação.

“O governador, Ibaneis Rocha, entendeu como uma boa ideia e vamos viabilizar os estudos”, confirmou Torres ao Metrópoles. O diretor-geral da Polícia Civil, Robson Cândido, também aprovou a iniciativa. “É uma medida muito importante para a categoria. Vamos começar os estudos imediatamente, para ver o que é possível fazer e a quantidade de alunos que poderemos atender”, disse Cândido.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do DF (Sinpol), Rodrigo Franco, o Gaúcho, a intenção da categoria era que o GDF criasse um convênio com as escolas militarizadas para que dependentes de agentes e delegados pudessem se matricular nelas.

“Mas o próprio governador sugeriu a criação de uma escola sob a gestão da Polícia Civil para atender nossos filhos e também a comunidade”, afirmou o sindicalista.

Segundo Gaúcho, o local sugerido por Ibaneis para abrigar o centro de ensino seria a antiga academia da PCDF, em Taguatinga. Hoje, o edifício, de três andares, encontra-se vazio.

Na reunião, Ibaneis também revelou a intenção de criar o Hospital da Segurança Pública. A instituição – que, se for mesmo criada, deve funcionar no Setor Policial Sul, onde era o Hospital da Polícia Militar – atenderá integrantes da PCDF, da PMDF e do Corpo de Bombeiros.

GOOGLE STREET VIEW/REPRODUÇÃO
Google Street View/Reprodução
Prédio onde funcionava a academia da PCDF: ideia é que estrutura abrigue escola

O encontro também serviu para tratar das pecúnias em atraso para os aposentados da PCDF. Segundo o Sinpol, cerca de mil agentes e delegados que se aposentaram entre 1996 e 2006 — e que não gozaram das licenças-prêmio — ficaram sem receber as pecúnias ao passarem para a inatividade. Ibaneis solicitou ao diretor Robson Cândido que faça os estudos necessários para estabelecer um cronograma de pagamento.

Gestão militar
Hoje, quatro escolas públicas do Distrito Federal vivem dias de transição e se adequam ao modelo de gestão compartilhada com a Polícia Militar. O regimento traz consigo novidades que são inseridas gradualmente no cotidiano dos colégios. Embora ainda seja cedo para se avaliar o impacto em questões como desempenho escolar, alguns efeitos já são sentidos. Em todas as unidades, aumentou a procura por matrículas.

No Centro Educacional 1 (CED 1) da Estrutural, a capacidade máxima já foi atingida: 1,4 mil estudantes. Com aumento da procura por uma oportunidade no centro de ensino, os que desejam entrar aguardam por uma vaga de alguém que deixar a escola.

Nas outras unidades em que o novo modelo foi implantado, o número de alunos matriculados cresceu de forma acentuada. No Recanto das Emas, no CED 308, pais e alunos dormiram na fila em busca de vagas remanescentes. De acordo com dados da Secretaria de Educação, após o período aberto para se preencher as oportunidades ainda existentes, o número de alunos aumentou de 880 para 950.

O maior crescimento, contudo, foi em Ceilândia, no CED 7. A quantidade de estudantes aumentou de 1,6 mil para 2 mil. Não há mais vagas. Estão abertas oportunidades apenas no CED 3 de Sobradinho: são cinco postos restantes para quem ainda deseja se inscrever. No local, foram abertas mais duas turmas para comportar a demanda. Eram 1,6 mil estudantes. Hoje, são atendidos 1.680.

Fonte - Metrópoles

Publicado em 27/05/2019

Image